Mais que uma Amante -Mary Balogh

ol2-big-120508223707285

por Mariana Guarilha

Jocelyn Dudley, o Duque de Tresham é um homem um tanto difícil de se amar, apesar de sua posição na sociedade, Tresham faz questão de ter um comportamento rude e muitas vezes violento. Seu comportamento intempestivo é observado pela sociedade com doses iguais de horror e fascínio. E é em um desses momentos memoráveis em que escandaliza toda a sociedade educada que Jane Ingleby encontra o Duque pela primeira vez: Travando um Duelo em pelo High Park com um marido traído. A intervenção de Jane dará um desfecho inusitado aquela aventura e ela ficará presa a um homem irascível, porém as circunstâncias  não poderiam ser melhores a uma dama que precisa se esconder.

Jane Ingleby é uma dama inglesa obrigada a se esconder entre os criados por causa de uma infeliz circunstância; mas ela não é uma dama inglesa comum, ou não teria conseguido sobreviver as ultimas privações. Esteve trabalhando como costureira e morando em uma perigosa vizinhança de Londres quando é convidada a atuar como enfermeira do duque. Seus modos austeros escondem uma inteligência ímpar e uma sensibilidade que a fará capaz de passar pelas máscaras do duque e enxergar o que ele tenta esconder de toda a sociedade.

Como é comum nos livros da Mary Balogh, a autora nos convida a desconstruir as primeiras impressões que temos a respeito dos protagonistas, mas sem eximi-los de suas falhas e de seus defeitos, o que faz deles perfeitamente críveis. Os embates entre os protagonistas são deliciosos, e a forma cínica e debochada com que Tresham enxerga o amor e a própria vida se mostra tão atrativa quantos as juras de amor que é obrigado a render. A autora permanece imbatível, mesmo quando seus personagens não parecem pessoas que eu gostaria de ter ao meu lado na mesa do jantar. Outro ponto delicioso do livro é que Jane, mesmo em desvantagem perante o poderio do Duque e sua necessidade de proteção, não se rebaixa a ele em nenhum momento. Uma lição que outras autoras deveriam aprender: mesmo quando querem mostrar que o seu herói é um tanto bruto, não é preciso que suas heroínas se rebaixem diante dele.

A Promessa da Rosa – Babi A. Sette

A Promessa da Rosa em alta.jpg

por Mariana Guarilha

A Promessa da Rosa foi o primeiro livro da brasileira Babi A. Sette que tive em mãos  e fui surpreendida positivamente em alguns aspectos: o livro possui reviravoltas surpreendentes e sua protagonista que tem sonhos e interesses além de um bom casamento e um futuro tranquilo, é apaixonante. Também percebe-se que há um trabalho de pesquisa para ambientação histórica e uma preocupação em delinear bem mesmo os personagens secundários, tudo isso dá origem a uma história que nos envolve já nas primeiras páginas.

Kathelyn é uma mulher ímpar, além de seus interesses pela arte clássica e história de civilizações antigas, ela ainda parece ostentar um desprezo pelas rígidas regras da sociedade inglesa vitoriana. Apesar desse desdém pela pompa da aristocracia, como filha de um Conde, ela sempre transitou nos mais estritos círculos da sociedade, ainda que cause algum estranhamento em seus pares. Apesar de fazer troça com as ambições de outras moças sobre um bom casamento, acaba se apaixonando pelo Duque de Belmont, um nobre rico e influente.

Ainda que tudo em Belmont pareça remeter aos velhos costumes, ele mostra-se um tanto progressista. Sempre envolvido em escândalos com suas amantes, ele aprendeu cedo que a um Duque quase tudo é permitido. Belmont também possui ideias muito próprias a respeito do futuro da sociedade e busca assegurar-se neste futuro diversificando seus investimentos e associando-se com novos ricos oriundos das classes mais baixas. Apesar dessa postura, quando se vê em situações-limite, muitas vezes destila preconceitos e em alguns momentos, achei difícil perdoá-lo. O ponto fraco do livro é seu herói romântico, por vezes inseguro e orgulhoso demais para que nos apaixonemos por ele. Apesar dessa ressalva, estou ansiosa para ler mais livros da autora que me ganhou com suas mulheres fortes e com dramas mais pesados do que estou acostumada a vivenciar na literatura de época por escritoras contemporâneas.