Lugares Escuros – Gillian Flynn

capa-lugares-escuros

por Mariana Guarilha 

Libby Day, a protagonista de Lugares Escuros não é um ser humano muito admirável,porém sobrevive graças a simpatia de pessoas que se compadeceram de seu drama pessoal. Libby é a única sobrevivente de um massacre que foi atribuído a Ben Day, seu irmão mais velho. é dela o testemunho que condenou-o a prisão perpétua. Ha várias suspeitas de má condução do caso, já que suas provas são circunstancias e a única coisa que o sustenta é a palavra de uma criança traumatizada.

Quando tem uma conversa com o seu administrador, fica sabendo que seu dinheiro  das doações que a mantém está prestes a terminar e por isso aceita trabalhar com alguns entusiastas de crimes famosos e detetives amadores que formam o Kill Club. Não há nada que Libby não esteja disposta a fazer para sobreviver, e a forma crua com que está disposta a vender suas lembranças e o distanciamento com que lida com a tragédia que matou sua mãe e irmãs e arruinou a vida de Ben a fazem tão leviana que é difícil torcer por ela.

Os capítulos que se dividem no presente e no passado anterior ao dia fatídico acompanham o pontos de vista de Libby, Ben e Patty Day. Todos os personagens são detestáveis em sua essência: Libby é uma manipuladora nata e já demonstrava isso quando criança, Patty Day é uma mulher fraca e incompetente que está prestes a perder a fazenda que foi de seus pais, e Ben é uma adolescente sujo, sem personalidade que sente tanta raiva de sua situação de vida que parece não haver nada de que não seja capaz, embora pareça tão fraco como Patty.

Mais uma vez  Gillian Flynn nos entrega um romance tenso, com uma história poderosa e uma gama de personagens atormentados. A autora permanece imbatível em sua perspicácia a desvelar as perversões humanas, entregando personagens tão complexos que é impossível esquecê-los, ainda que não seja capaz de amá-los. Com mais esse romance magistral, fica difícil saber qual é o trabalho mais revelante de Gillian Flynn.

Again the Magic – Lisa Kleypas

por Mariana Guarilhaagain-the-magic

Again the Magic (Outra vez a magia) é um prequel  da série Wallflowers que foi lançada no Brasil pela Editora Arqueiro como As Quatro Estações do Amor,ou seja, no livro são abordados romances que ocorreram antes dos acontecimentos abordados na série de quatro livros.As protagonistas são as irmãs de Westcliff, Lady Aline e Lady Olívia.

Lady Aline sempre esteve apaixonada por um rapaz que era moço de quadra na propriedade de seus pais, e como eles não pareciam particularmente interessados em sua primogênita, as indiscrições de Aline e McKeena permaneceram por muito tempo ignoradas. Quando são descobertos e separados os rumos de suas vidas mudam drasticamente. Apesar de ser o casal com maior destaque na trama, eu não me envolvi tanto com a história de Aline quando me envolvi com a história de sua irmã.

A vida de Lady Olívia é permeada pelo escândalo. Para começar, seu nascimento é ilegítimo, e ela só livrou-se do destino dos bastardos por que o velho Conde era orgulhoso demais para tornar a traição de sua mulher pública. Olívia esteve noiva, porém a morte prematura de seu prometido trouxe a tona verdades inconvenientes sobre seu relacionamento. Apesar de ter o apoio do irmão Marcus, ela tem ficado longe da sociedade a um bom tempo e mesmo com as súplicas de Aline teme o desprezo dos seus pares e por isso tem estado cada vez mais reclusa.

Lisa Kleypas entrega um livro gostoso de ler, e vários personagens interessantes, mas não pude deixar de me perguntar por que não oferecer um romance para cada casal e dar mais destaque a certos personagens. Um outro acerto que vale destacar é a amizade dos protagonistas com uma criada que leva a alguns momentos bem emocionantes no livro. A relação deles de forma alguma é marcada por subserviência, o que é algo que eu ainda não tinha encontrado em outro livro de época.

Saga

Perdida-Carina Rissi

perdida__1377657327bpor Mariana Guarilha 

Sofia tem a vida comum de uma jovem adulta de nossa época: um trabalho que lhe garante viver com certa tranquilidade , um grupo de amigos que deixa sua existência mais fácil, um apartamento que está sempre muito bagunçado, mas que é só seu. Ela só sente dificuldade de se conectar com alguém para ter um relacionamento amoroso. Quando é obrigada a comprar um novo celular, se vê vítima dos ardis de uma entidade desconhecida que a faz voltar no tempo.

Quando Sofia é transportada a um Brasil Império que mais parece a Inglaterra Vitoriana, a primeira pessoa com quem faz contato é Ian Clark. Ian é um jovem senhor de terras, responsável pela irmã mais nova e pelo destino de um sem número de empregados. Ele é muito cavalheiresco e está sempre se espantando com os modos pouco usuais de Sofia. Ele é um herói romântico apaixonante, e seus modos reservados fariam suspirar até a mais exigente das leitoras.

Porém, com Sofia eu não consegui me conectar, e isso é um grande empecilho para um romance de época. Me irritei demais com Sofia , uma mulher adulta, mas que não conseguia deixar de falar como uma adolescente e que parecia desprovida da capacidade de adaptar-se em um novo contexto social. Creio que o público alvo da série de Carina Rissi sejam as adolescentes, mas ainda assim ela poderia ter pesado um pouco menos nos maneirismos da protagonista.

Outro problema foi o apagamento da escravidão na história, uma solução que me deixou dividida: por um lado acho mesmo que não temos que inserir uma mácula histórica de forma leviana se não vamos tratar o drama dos escravos com o devido respeito, por outro lado me parece um tanto covarde se esquivar da reflexão social só para que o livro seja mais leve.

Objetos Cortantes – Gillian Flynn

objetos-cortantespor Mariana Guarilha 

Gillian Flynn ficou conhecida com o sucesso da adaptação de seu livro “Garota Exemplar” para o cinema, porém Objetos Cortantes foi seu primeiro livro publicado.Notei que ambos tem coisas em comum: como a profundidade psicológica dos personagens e a exploração de seus distúrbios no enredo.

A protagonista de Objetos Cortantes tem sido uma vitima durante toda a sua vida. Camille Preaker  é uma jornalista que busca livrar-se de um passado traumático.Porém as semelhanças entre o assassinato de uma criança a um ano e o desaparecimento de outra a poucos dias a leva de volta para sua cidade natal e para perto de sua família problemática.Seu editor acredita que o conhecimento que tem sobre a cidade e seus habitantes pode fazer a investigação sobre os crimes mais fácil e render-lhe uma boa história.

A medida que Camille começa a investigar os crimes, ela também passa a voltar seu olhar para a própria família. A mãe, o padrasto e ameia-irmã que nunca teve a chance de conhecer direito, ainda vivem na cidade, mas sua relação com eles é no mínimo distante. Todos ainda vivem envoltos em uma tragédia familiar, a lenta morte de Marion,a irmã que passou a maior parte de sua vida doente.

Camille lida com a morte de Marion com uma série de comportamentos auto destrutivos: abuso de drogas e álcool e mais tarde passa a escrever na própria pele, auto-mutilando-se. Apesar de ter passado pela reabilitação, as marcas do abuso ainda estão na sua pele.

Objetos Cortantes é um livro perturbador, e apesar de não nos surpreender totalmente quando revela como as crianças morreram, é inegável que que ninguém faz um suspense psicológico como Gillian Flynn,pois ela não poupa seu leitor das imagens mais atrozes do ser humano.

 

 

Um Natal Inesquecível – Lisa Kleypas

natalinesquecivelpor Mariana Guarilha 

Um Natal Inesquecível nos presenteia com mais uma história envolvendo as Wallflowers, quatro amigas que com dificuldades para se inserirem na Alta Sociedade Inglesa Vitoriana resolveram se unir para conseguir casamentos. A série foi publicada no Brasil com o nome As quatro estações do amor.

Em um amor inesquecível,  todos estão reunidos na casa de Lílian para  comemorar o natal, felizes em seus casamentos, elas esperam ajudar a Rafe Bowman a conhecer uma jovem inglesa para se casar. Rafe está disposto a se casar com Lady Natalie, a bela filha de aristocrata empobrecido, porém ao conquistar a desaprovação de Hannah, a dama de companhia de Lady Natalie, envolve-se em um jogo perigoso.

O principal apelo do livro é trazer de volta as personagens que aprendemos a amar nos quatro livros anteriores, e não é por acaso que a melhor cena do livro é quando as quatro Wallflowers tentam ajudar Hannah a resolver sua vida amorosa.

Falta a Rafe um pouco do charme dos protagonistas anteriores, e é na comparação com esses protagonistas que ele perde o leitor. Marcus era melhor antagonizando Lílian, St. Vincent era um canalha melhor, Simon um sedutor mais descarado e  mesmo Swift saiu ganhando em comparação como pretendente desprezado. Rafe Bowman não foi um americano tão libertino e perigoso como prometia afinal.

Saga